A engenharia do como

A engenharia pode ser caracterizada como a arte de aplicar os conhecimentos, advindos das mais variadas áreas de conhecimento, na criação ou aperfeiçoamento de materiais, estruturas, máquinas, aparelhos, sistemas ou processos.

Já a ENGENHARIA DE SOFTWARE pode ser considerada uma área da Ciência da Computação que tem como objetivo a especificação, desenvolvimento e manutenção de sistemas de software. Atualmente, a ENGENHARIA DE SOFTWARE,                também estabelece uma relação estreita com outras áreas do conhecimento, tais como: Gerência de Projetos; Teoria da Qualidade; Gestão de Conhecimento.

Ao analisar ambas as definições é possível perceber que todas tratam o que fazer e não como fazer. Este fato é estendido aos livros, modelos de qualidade, disciplinas, consultorias e cursos ligados  à ENGENHARIA seguem o mesmo raciocínio, relatam o que e não como.

Afirmo isto com legitimidade, pois participo de diversas consultorias e trabalho dentro de um curso de engenharia de software que contrapõe a afirmação apresentada acima. A prova desta contraposição está ligada ao feedback que recebo de vários alunos e clientes (empresas que nos contratam, via Fundação, em consultorias). Estes feedbacks estão armazenados em minha base histórica de projetos, compartilho alguns com vocês.

  • O método de trabalho delineado pela sua equipe para nossa empresa alterou nossa forma de trabalho. Vocês executaram conosco, de forma prática, o método proposto, todos perceberam como fazer para estabelecer métricas de qualidade. A outra consultoria dizia-nos apenas o que fazer”. (feedback obtido após a implantação de um processo em uma empresa).
  • Professor, em sua disciplina sempre você apresenta como trabalhar a engenharia de software, você vai além do campo teórico, sempre embuti a prática em todas as aulas – esta constatação também pode ser estendida a todos os demais professores” (feedback obtido no final de 2014, após ministrar aulas de introdução a engenharia de software, no curso de Bacharelado em Engenharia de Software da Universidade Tecnológica Federal do Paraná).

Todos nós, profissionais que trabalhamos diretamente com as Engenharias, devemos relatar para toda a comunidade, acadêmica e empresarial, como fazer e não somente o que fazer.

O como fazer gera mais positividade, ou seja, a percepção do processo é real e todos entendem passo a passo aquilo o que está sendo construído. Possibilitam os envolvidos a receber um conjunto de conhecimentos mais sólidos.

Importante: O como fazer provê um aprendizado mais rápido e com maior qualidade.

Saia da esfera teórica e atinja a prática, durante a realização de seu trabalho, de suas aulas, de suas consultorias e na concepção de seus livros e materiais – foque mais o como.

Acredito que estamos perdendo este horizonte. As nossas universidades são, em sua grande parte, teóricas. A indústria necessita de pessoas que resolvem problemas de forma rápida e consistente.

Enfim, que tal praticar mais a engenharia do como e menos a engenharia do que?

José Augusto Fabri – fabri@utfpr.edu.br

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: