O momento é crítico, todos vamos perder alguma coisa, mas existe uma luz no fim do túnel

Nos últimos dias recebi vários questionamentos sobre o meu posicionamento a respeito a crise mundial causada pelo Corona Vírus.

Abaixo, tento me posicionar formalmente sobre o tema.

O momento é crítico. Todos vamos perder alguma coisa. Será que existe uma luz no final do turno? Existe possíveis soluções para minimizar o impacto provocado pela pandemia?

Algumas alternativas estão em construção, o isolamento social é uma delas. É uma ação que visa salvar o maior número de vidas neste momento. Ir contra o isolamento social é ir contra a ciência. Empresas que vão contra o isolamento geram antipatia junto as pessoas. São estas pessoas que serão os consumidores vorazes ao final da pandemia. Tenho várias manifestações públicas de amigos e conhecidos que não irão consumir o produto X e Y da empresa Z após a crise. Por que? Porque a empresa Z se posicionou contra o isolamento.

A segunda alternativa que vem sendo amplamente atacada é a pesquisa por uma vacina e por remédios que minimizam a taxa de infecção viral. Esta alternativa, no Brasil, é amplamente liberada pelas Universidade Públicas, que foram amplamente criticada em um passado recente. Neste momento a sociedade percebe a ciência e o investimento na pesquisa vai muito mais além de um posicionamento político.

A terceira também é liderada por organismos sociais, clubes de serviços e o setor público. Produção de álcool gel, mascara e equipamentos de proteção vem sendo desenvolvidos. A ideia de minimizar os efeitos gerados contendo a disseminação.

Além da agressividade do vírus, um outro problema que vem tirando o sono de várias pessoas é a crise econômica. Problema latente e que também não pode ser menosprezado. Porém a economia não pode se sobrepor a vida. Mas vamos lá… vamos buscar alternativas neste sentido.

Como relatei no início do texto, todos nós vamos perder alguma coisa. O problema é de todos. A primeira ação que você deve ter em mente enquanto empresário é maximizar o seu comprometimento e ajudar o próximo. É necessário também maximizar a sua empatia com o seu cliente. Vou apresentar um exemplo muito simples, que vivenciei aqui em Cornélio Procópio no Paraná.

Exemplo 1 – A padaria Padoka oferece pães gratuitos aos mais necessitados. Eu já era cliente da padaria, agora indicarei, ainda mais, a padaria todos o que conheço – estas indicações foram para redes sociais e foram materializadas – as indicações ultrapassaram o boca a boca. O mesmo aconteceu com pizzaria Forno a Lenha e Cacau Show, que oferecem chocolates e pizzas aos profissionais da Santa Casa.

As empresas citadas estão sofrendo com a crise? Claro que estão, mas elas já perceberam uma luz no final do túnel. Estão se reinventando, fazendo promoções, entregando chocolates domicílio para Páscoa. São inúmeras iniciativas.

Exemplo 2 – Uma outra ação simples que vi, potencializou a venda de produtor de verduras aqui da região. Ele criou um grupo no whatts e passou a entregar o seu produto higienizado. Ele foi mais longe ainda, você pode acompanhar higienização de seu produto via as mídias sociais. O produtor propôs uma ação simples e inovadora, instalou uma câmera que mostra em tempo real os seus colaboradores manipulando os produtos. E se você quiser verificar a manipulação de seu produto, basta marcar um horário, entrar na rede social e ver todo o trabalho sendo feito no seu pedido. Segurança e higiene são os valores por trás das verduras e legumes comercializados. Pode ter certeza que esta ação está fidelizando os clientes.

Descrevi, aqui, empresas que atendem as necessidades fisiológicas das pessoas. Alimentação e segurança. As necessidades inerentes a questões sociais e de realização pessoal não foram citadas ainda. Então vamos a elas.

Exemplo 3 – Um empresário que movimenta a área de confecções me escreveu. Apavorado!!! Claro, não é para menos.

Professor Fabri, o que fazer neste momento?

Iniciamos uma longa conversa a partir da pergunta delineada por ele. A primeira ação foi acalmá-lo, a intranquilidade gera incerteza e provoca aumento significativo dos equívocos e erros. Após acalmá-lo, apresentei a ele, diversas questões, descrevo duas delas aqui.

Qual é tamanho de carteira de clientes?

Quantas vendas você realizava por semana antes de crise?

Ele me respondeu todas as questões prontamente.

Percebi que a carteira deste empresário era considerável. Discutimos diversas soluções a partir deste fato. Vou compartilhar uma delas:

Mapeamos a data de aniversários de todos os clientes.

Mapeamos a data de aniversários de vários contatos e familiares destes clientes.

Como fizemos isto?

Por meio de um trabalho exaustivo nas redes sociais.

Quem fez isto?

Os colaboradores da empresa, trabalhando home office.

De posse destas informações, o empresário fez uma promoção, minimizou a sua margem de lucro, e começou a realizar vendas por whatts e pelo telefone.

A abordagem com os clientes foi a seguinte: Na próxima semana ou nos próximos 15 dias sua esposa, seu filho, seu amigo faz aniversário. Vamos presenteá-lo? Ao comprar um presente na minha loja, disponibilizo alimentos não perecíveis para as pessoas menos favorecidas.

Gravo a entrega e disponibilizo em nossas redes sociais e marco você como cliente especial  que colaborou fortemente neste momento de crise.

O presente é entregue pessoalmente pelos nossos colaboradores da loja ou ele é enviado pelo correio.

A ação acima reportada gerou resultados interessantes e movimentou fortemente as redes sociais da loja. Gerou empatia.

Podemos dizer o empresário do setor de confecções está sobrevindo a crise neste período de isolamento social. Claro que ele não terá o mesmo fluxo de vendas, a ideia é atravessar a tempestade.

Exemplo 4 – Um outro empresário, este amigo, gerente de uma concessionária, me escreveu pedindo ajuda. Prof. Fabri, como vender carros em uma pandemia?

Primeira coisa que fiz foi acalmá-lo. Depois, disse que ele não iria vender carros neste momento. A concessionário e a marca, neste momento, devem vender sonhos. Vamos criar uma concessionária de sonhos. A marca deve mudar a estratégia, primeiramente garantir o mínimo de sobrevivência para os colaboradores, se não demitir a empatia irá crescer – pode ter certeza disso.

Disse a ele para materializar o perfil dos clientes, qual carro eles compraram nos últimos tempos, se vem ascendendo nos modelos. Estas informações são extremamente importantes pois podem se configurar em uma venda no futuro. Propor uma parceria para a troca do carro usado para um zero km, com facilidades e financiamento com taxa zero e perder de vista, com um bom desconto no modelo novo, premiar o cliente acessórios irão fazer a diferença. Plantar um sonho a curto, médio e longo prazo nos clientes. Também disse ele para focar fortemente no setor de prestação de serviços – minimize a margem de lucro. A ação da concessionária e da marca estão caminhando neste sentido. A ideia, também, é sobreviver a tempestade.

Marcas e as fábricas (isto serve para a indústria automobilística) também devem trabalhar na linha de frente da pandemia, produzindo respiradores e equipamentos par salvar vida. Isto gera empatia.

A formula para atravessar a tempestade é:

Fidelização = comprometimento + empatia

Empatia = não demitir + ajudar o próximo

Perfeito, estamos buscando alternativa e nos reinventando.

Uma última questão deve ser respondida. E qual o papel do governo nesta crise?

O governo deve garantir a sobrevivência dos menos favorecidos. Possuir informações consistentes e atacar o problema de frente. Socorrer os empresários. O governo, em todos os países, deve desenvolver ações voltadas a todos, socorrer as pessoas em risco social e econômico. Olhar do governo deve ser coletivo o coletivo e não individual.

No Brasil, temos algumas ações:

  • Hospital de campanha.
  • Distribuição do auxílio emergencial de R$ 650,00.
  • Promoção do isolamento social.

Não vi ainda uma ação formal focada no empreendedor.

Um conselho que dou a todos empresários, fuja das brigas políticas, trabalhe com as ferramentas que o poder público lhe oferece – mesmo que elas sejam mínimas, independente do governo. Lembre-se que ao entrar em uma briga política você pode perder clientes. Confesso que já vi este fato ocorrer.

Mas tenho certeza que você vai me questionar. Mas professor Fabri, o valor de R$ 650,00 não pode ser aumentado? O empreendedor não será socorrido por ações concretas?

Sim, claro que pode, e é importante que seja.

Para que isto ocorra entra no cenário, os Bancos, em 2019 eles tiveram um lucro líquido de 18%. O valor chegou a 80,5 bilhões. O Itaú teve lucro de 26,5 bilhões. Para efeitos de comparação, o auxílio emergência chegará a faixa de 70 bilhões reais.

É hora dos bancos desenvolverem um olhar social e trabalhar fortemente na contenção dos danos provocados pela pandemia. Prover empréstimos a juros zeros, com prazos elásticos de pagamento. Claro que esta ação deve ser feita com muito critério. Tenho certeza que se isto acontecer salvaremos muitos empregos.

Para finalizar, deputados, senadores, vereadores, prefeitos, governadores e presidente devem sim reduzir os seus salários e mordomias.

O Brasil, possui 513 deputados, 81 senadores, 1059 deputados estaduais, 56.000 vereadores, o custo operacional médio de cada deles é de 100 mil reais por mês. Em 12 meses, o custo do legislativo brasileiro é de cerca de 6 bilhões de reais.

Não vamos pedir muito, o investimento de 3 bilhões por ano, nos próximos 5 anos. Dá para viver com 50.000,00/mês meu nobre deputado?

Enfim, o momento é delicado, todos vamos perder, mas neste momento temos que nos reinventar, fazer do limão uma limonada.

Todos vamos perder alguma coisa, mas existe uma luz no fim do túnel.

Estou a disposição para atender e a todos de forma gratuita, melhorando processo e trocando ideias e buscando alternativas neste momento.

por José Augusto Fabri

fabri@utfpr.edu.br

É necessário justificar as suas escolhas?

Escolher significa optar entre:

uma coisa e outra(s);

uma pessoa e outra(s);

uma situação e outra(s).

Escolher é um processo de tomada de decisão constante.

Muitas pessoas querem justificar constantemente as suas decisões. Quantas vezes nós escutamos a seguinte frase: Eu optei por tal situação levando em consideração o fato X ou fato Y. Isto realmente é necessário?

A escolha é um processo interno de cada um. Quando tomamos uma determinada decisão, levamos em conta a nossa situação econômica atual, a estruturação de nossa família, o perfil das pessoas que serão afetadas com aquela escolha. Poderia citar uma série de situações…

A tomada de uma decisão é condizente com minha realidade e discordante da realidade de uma outra pessoa.  Acredito que a escolha é intrínseca, ela ocorre de dentro para fora, a história de vida influi diretamente neste processo, em todas as situações.

Não justifique constantemente as suas escolhas perante a sociedade. Não tente convencer ninguém que a sua escolha é a melhor. Ela pode ser melhor para você. Não interfira na escolha de ninguém. É necessário apenas respeitar a escolha que cada um faz. E, lembre-se, caso se arrependa de uma determinada escolha, volte a atrás, e assuma que errou e opte por outro caminho. Não há nada de errado nisso.

Pense nisso!

Um abraço a todos.

Realização

A realização é algo que todos nós procuramos. Realização pessoal, realização profissional. realização afetiva são exemplos.

Para que tenhamos sucesso nesta busca é necessário executar duas ações básicas:

1 – Mentalizar aquilo que queremos – A REALIZAÇÃO MENTAL.

2 – Direcionar todos os esforços para conquistar o que mentalizamos – A REALIZAÇÃO FÍSICA.

Primeiro devemos criar na nossa mente aquilo que desejamos. Somente após esta criação, devemos trabalhar fisicamente para atingir o desejo previamente criado. A criação mental vem primeiro. Sem ela, a criação física não será executada. A clareza na criação mental potencializa o sucesso da criação física.

Enfim, a formula para o sucesso na busca de nossas realizações é muito simples:

REALIZAÇÃO = REALIZAÇÃO MENTAL X  REALIZAÇÃO FÍSICA.

Fica a dica.

José Augusto Fabri – fabri@utfpr.edu.br

Nova face do Canvas – Canvas para plano de ensino.

Pessoal, no ano passado lançamos nosso segundo livro – As várias faces do Canvas. De lá para cá desenvolvemos mais algumas faces. Compartilho com vocês o Canvas para plano e ensino. Um artefato de uma única folha que possibilita o docente a planejar de forma evolucionária todo o desenvolvimento de uma determinada disciplina.

canvas para plano de ensino

Um boa semana a todos

José Augusto Fabri – fabri@utfpr.edu.br