Archive for the off topic Category

Qual é o mérito de sua vitória?

Posted in off topic on December 30, 2016 by José Augusto Fabri

Pense e reflita, qual é o mérito de sua vitória?

Um feliz 2017.

Delimitar pontos de referência…

Posted in off topic on January 4, 2016 by José Augusto Fabri

É uma boa alternativa para concretizar um plano ou um sonho.

A palavra referência vem do Latin refere, que significa aquilo que se pretende referir ou aquilo que se utiliza como modelo.

Quando delimitamos um ponto de referência, criamos um modelo, que irá influenciar em nossa forma de pensar e de agir.

Para atingir o ponto criado é necessário criarmos vários outros pontos. Estes pontos irão melhorar a nossa percepção de conquista e, principalmente, gerenciar de forma mais concreta nossas expectativas.

Vamos supor que eu sonhe em ser um grande gerente de projeto de software. Ser este gerente é apenas um dos pontos delimitados. Ingressar em um bom curso de engenharia de software, trabalhar como programador, analista de sistemas, gerente de célula de produção, líder de equipe, analista de negócio caracterizam em outros pontos que devo delimitar. Ao atingir um desses pontos a sensação de conquista é eminente.

Lembre-se!!! Ninguém corre uma maratona sem correr o primeiro km.

Porém, alerto, os pontos de referências devem ser relativos. Trabalhe a referência relativa. Ela me proporciona adaptação às várias mudanças ambientais. Vivemos em um mundo totalmente indeterminístico temos controle sobre pouquíssimas variáveis que estão ao nosso redor, e possuir “um certo” relativismo sobre os pontos delimitados também o ajudarão na sua empreitada.

Se você não tem fôlego para correr os primeiros quilometro, corra 500 metros. Amanhã pode ser que você corra o primeiro km.

Ah… eu ia me esquecendo, não existe um ponto final para a sua referência.

Um bom 2016 para todos.

J. A. Fabri – fabri@utfpr.edu.br

Canvas para esboçar de trabalhos acadêmicos

Posted in off topic on March 10, 2015 by José Augusto Fabri

O Canvas é uma ferramenta de gerenciamento. Seu objetivo é esboçar modelos de negócio novos ou existentes. O Canvas pode ser considerado um mapa visual pré-formatado contendo 9 blocos de determinado modelo de negócios. O Canvas foi proposto por Alexander Osterwalder baseado no seu trabalho anterior sobre Business Model Ontology.

Estou sugerindo aos meus orientados de iniciação científica, de trabalho de conclusão de curso e de mestrado que elabore o Canvas para trabalhos acadêmicos. Nesta proposta podemos obter um refinamento rápido e prático do esboço do trabalho acadêmico.

Utilize a adaptação proposta a vontade.

José Augusto Fabri

Qual é a sua luta no dia 15 de março?

Posted in off topic on February 26, 2015 by José Augusto Fabri

Nos últimos dias vem crescendo o movimento 15 de março. O movimento ganhou força com a greve dos caminhoneiros. Este movimento tem como objetivo pedir o Impeachment da Presidente Dilma. Será que essa seria a nossa verdadeira luta?

Para responder esta questão temos que entender, minimamente, como funciona o Sistema Político Brasileiro.

O Brasil se caracteriza como uma Republica Federalista Presidencialista. República, porque o Chefe de Estado é eletivo e temporário. Federativa, pois os Estados são dotados de autonomia política. Presidencialista, porque ambas as funções de Chefe de Governo e Chefe de Estado são exercidas pelo Presidente.

O Poder do Estado Brasileiro é dividido entre órgãos políticos distintos. Adotamos um modelo semelhante ao apresentado por Charles de Montesquieu em seu livro “O Espírito das Leis” (1748), ou seja, temos três grandes órgãos ou poderes:

Executivo: exercido pelo Presidente.

Legislativo: exercido pelo Congresso Nacional (513 deputados e 81 senadores)

Judiciário: exercido pelo Supremo Tribunal Federal (11 juízes).

A função do  Executivo é bem simples, fazer as leis funcionarem. O presidente pode vetar ou sancionar leis criadas pelo poder Legislativo e editar medidas provisórias.

O Legislativo tem a responsabilidade de idealizar as leis e julgar as propostas do presidente. O parlamento brasileiro é bicameral – é composto por duas “casas”: a Câmara dos Deputados e o Senado. Qualquer projeto de lei, primeiramente, deve passar pela Câmara e depois, se aprovado, pelo Senado.

O Poder Judiciário tem como objetivo interpretar as leis e fiscalizar o seu cumprimento. O mesmo é composto por 11 juízes, escolhidos pelo presidente e aprovados pelo Senado.

O modelo apresentado também é instanciado nos estados e municípios. Elegemos Governador, Deputado Estadual (no Brasil temos 1.059), Prefeito e Vereadores (cerca 56.000).

De posse das informações que caracterizam o Sistema Político Brasileiro, vamos à questão que motivou o desenvolvimento deste texto:

Qual é a sua luta no dia 15 de março?

Atualmente, um deputado custa R$ 166.512,09 por mês. Este valor multiplicado por 513 gera um gasto mensal para união de  R$ 85.420.702,17, sem multiplicarmos esse montante por 48, teremos o custo de uma legislatura: R$ 4.100.193.704,16.

Não esqueça que temos o Senado, as  Assembleias legislativas e as Câmaras de Vereadores – é muita gente para legislar [as vezes em causa própria] e muito dinheiro gasto para sustentar essa máquina.

Quem é seu representante no legislativo? É…, aquele que você votou nas eleições de 2014? Você lembra quem é o seu Deputado Federal, Deputado Estadual e Vereador? Pode ter certeza que a maioria da população brasileira não lembra.

Que pena… a culpa da crise é do FHC, do Lula, da Dilma, seria do Aécio, da Marina ou do Eduardo Campos?

Para a população, a culpa sempre é do Presidente…

A culpa é nossa…

Dentro deste contexto acredito que TODOS temos que lutar primeiro por uma reforma política e depois por uma reforma tributária (este é tema para outro texto). Não defendo uma reforma de modelo e sim na sua forma de instanciação.

É necessário diminuir o número de deputados federais e estaduais e vereadores.

É necessário termos um congresso bicameral? Podemos discutir amplamente este tema.

Voto Distrital.

O Voto Distrital se caracteriza como um sistema eleitoral que irá melhorar a forma como você elege um político e acompanha o que ele faz.

Com o Voto Distrital eliminamos o coeficiente eleitoral.  Este é o número que cada partido ou coligação necessita alcançar para conseguir uma cadeira no Legislativo (ou Parlamento).

Calculo do coeficiente eleitoral:

Divide-se o número de votos válidos pelo número de cadeiras em disputa. Se tivermos 100 mil votos e 10 cadeiras no parlamento o coeficiente é 10 mil. Exemplo: Se um candidato a deputado do partido X tiver 40 mil votos, o partido tem o direito a 4 cadeiras no parlamento.  Se o partido X tiver mais 6 candidatos, 3 deles com 1 voto, 3 com zero, temos 3 candidatos  eleitos com 1 voto.

Mais de 90% dos deputados são eleitos sem serem os mais votados.

No voto distrital os estados são divididos em pequenas regiões. Cada partido apresenta um candidato por distrito a deputado, o mais votado é eleito.  Os eleitos devem prestar contas sistematicamente no seu distrito. Todos devem acompanhar o trabalho dos eleitos.

100 distritos no País.

Cada distrito deve representar um número equilibrado de eleitores, dentro deste contexto um voto no Acre deixa de possuir um maior peso se comparado com um voto no Paraná.

Reduzir o número de vereadores e deputados estaduais.

É muita gente para legislar.

Se eleito, o deputado deve passar por uma prova para comprovar que possui conhecimentos políticos.

Sim, isso evita os palhaços puxadores de voto.

Tem muita gente que vota nestes palhaços por protesto, e estas pessoas querem me dizer que não tem culpa.

A culpa é nossa…

Reduzir o custo de um deputado.

R$ 166.512,09 por mês para cada deputado federal é muito.

Reduzir o número de ministérios

Atualmente temos 39  – o segundo maior número de ministérios no mundo. Os EUA tem 15 o Chile 20.

Custo dos ministérios é de R$ 58 bilhões por ano.

Isso vai enxugar as contas públicas e a “máquina executiva”.

Consegui lembrar destes:

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação; Ministério da Cultura; Ministério da Defesa; Ministério da Educação; Ministério da Fazenda; Ministério da Integração Nacional; Ministério da Justiça; Ministério da Previdência Social; Ministério da Saúde; Ministério das Cidades; Ministério das Comunicações; Ministério das Relações Exteriores; Ministério de Minas e Energia; Ministério do Desenvolvimento Agrário; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; Ministério do Esporte; Ministério do Meio Ambiente; Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; Ministério do Trabalho e Emprego; Ministério do Turismo; Ministério dos Transportes; Secretaria da Micro e Pequena Empresa; Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República; Gabinete de Segurança Institucional; Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República; Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República; Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; Secretaria de Políticas para as Mulheres; Secretaria-Geral da Presidência da República; Controladoria-Geral da União; Advocacia-Geral da União; Banco Central do Brasil e Casa Civil.

Selecionei alguns que acho importante.

Política de estado

A política de governo se configura de maneira unilateral e muitas vezes restrita. Desenvolver política de estado possui uma complexidade muito maior. Para conceber esta vertente política é necessário mobilizar a esfera técnica da máquina pública, representante de instituições não governamentais, autarquias, fundações, ONGs, parlamento e demais grupos organizados. As discussões devem focar a relação entre custo, benefício, efetividade social na correção de distorções.

Praticar política de estado requer mobilização. A sociedade civil deve participar ativamente de todo processo de discussão.

Concluindo…

Gostaria de salientar que sou totalmente avesso a esta corrupção que assola o país. Isso vai muito além da Presidência  da República, independente quem é o presidente.  Volta a afirmar, a culpa não é de quem voltou em X ou Y para presidente em 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014, a culpa é nossa que não sabemos lutar pelas grandes causas, não somos educados e muito menos politizados.

Pense nisso e aponte pontos substanciais para as reformas: POLÍTICA e TRIBUTÁRIA.

José Augusto Fabri  – fabri@utfpr.edu.br

Mapas conceituais apresentando as técnicas para redação de um artigo científico

Posted in off topic with tags , on February 7, 2015 by José Augusto Fabri

Pessoal,

Desenvolvi 3 mapas conceituais com o objetivo de apresentar técnicas para redação de artigos. As mapa são baseados guia de desenvolvimento de artigos, publicado pelo grupo Stela – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina.

O mapa pode ser visualizado abaixo.

artigos

artigos1

 

 

 

 

artigos2

 

 

 

 

 

 

 

 

J. A. Fabri – fabri@utfpr.edu.br

O que é uma graduação? O que é uma especialização? O Que é um mestrado? O que é um Doutorado?

Posted in off topic on July 29, 2014 by José Augusto Fabri

graduacao-mestrad-doutoradoVários alunos me perguntam sobre a diferença entre graduação, especialização, mestrado e doutorado.

Vamos imaginar que a humanidade possui milhões de “partículas do conhecimento”, quando iniciamos nosso estudo no ensino fundamental e médio, caminhamos lentamente na direção de todas estas “partículas”. Este caminho é lento e tem a duração média de 12 anos.

Ao terminar o ensino médio, procuramos um curso de graduação. Neste momento, nós iremos nos aprofundarmos em um conjunto menor de “partículas” – as “partículas” da matemática. O tempo de caminhada é mais rápido, quando comparado ao efetuado na graduação.

Ao terminar a graduação, iremos nos especializar em uma área, por exemplo: Desenvolvimento de software para WEB. Um curso de especialização dura em média 360 horas e nos proporcionar aprofundarmos ainda mais em um conjunto mais restrito de “partículas” de conhecimento.

A mesma analogia apresentadas nos parágrafos anteriores também é válida para o curso de mestrado.

Por fim, no doutorado você se torna extremamente especializado em uma das “partículas do conhecimento” da humanidade e cria uma nova. Esta por sua vez, geralmente, é uma variação daquela que você se especializou (vide figura no início do post).

José Augusto Fabri – fabri@utfpr.edu.br

A importância do estágio na vida profissional

Posted in off topic on June 10, 2014 by José Augusto Fabri

A palavra estágio tem origem Latim medieval stagium. Stagium significa período preparatório, etapa do ciclo vital de plantas ou animais. Dada a origem latina da palavra, a língua francesa cunhou a palavra stage (cujo o registro é de 1630), essa palavra tinha como objetivo designar as etapas que um cônego deve concluir durante um certo tempo antes de desfrutar das honras e da sua renda prebenda. No início do século XIX, o francês incorporou em seu dicionário a palavra stagiaire designando o profissional ou estudante, que durante um período pré-determinado, executa um conjunto de tarefas, com o objetivo de internalizar novas habilidades. Por fim, no início do século XX a palavra foi incorporada na língua portuguesa com a grafia de estagiário.

Dentro da esfera universitária, o estágio caracteriza-se como um processo educativo e supervisionado. É de extrema importância que ele seja desenvolvido no ambiente de trabalho, visando à consolidação dos conceitos apresentados ao estudante durante o curso de graduação.

O estágio se configura como uma ferramenta facilitadora para o ingresso de profissionais recém-formado no mercado de trabalho. Dentro deste contexto é importante salientar que o estagiário estará preparado para assumir o seu papel como um profissional com as competências pertinentes a sua atividade. O estágio é um meio eficiente de acompanhamento de avanços conceituais.

De posse da etimologia da palavra estagiário e dada sua definição, é possível perceber a importância, deste processo educativo, na preparação profissional de um estudante universitário.

O que é um bom estágio?

O estágio ideal deve ser realizado em entidade que cumpre o papel de supervisão do estudante. Promover oportunidades de crescimento profissional também é algo de suma importância dentro deste contexto.

A realização de um bom estágio está intimamente ligada à preparação do estudante. Oportunizar ou reforçar os conhecimento dentro da área escolhida, conhecer a realidade mercadológica, cultivar um bom relacionamento interpessoal e trabalhar em equipe são características de extrema relevância para se obter sucesso no estágio.

Procedimentos para a dos melhores estagiários.

Atualmente, 1 em cada 3 empresas (no mundo) encontram dificuldade no preenchimento de seus cargos. O Brasil é o segundo país no qual este tipo de problema é mais acentuado, perdemos apenas do Japão. Um dos problemas que agrava esta situação e o baixo índice de formação universitária, somente 7% da população brasileira, entre 25 e 34 anos, possui ensino superior (Fonte INEP 2014).

Dentro deste contexto as empresas buscam estudantes em plena condição de estagiar, a vontade de aprender e cursos de qualidade reconhecida são critérios determinantes no processo de seleção. Comunicação, capacidade de adequação a diversas situações também devem ser observadas pelas empresas.

Empresa e Estagiário

Na relação entre empresa e estagiário, é importante que a primeira cumpra com a legislação em vigor e conceba atividades de estágio coerente com o curso do estagiário. Possibilitar a participação do aluno em projetos, analisar a possibilidade de implantar as iniciativas do estudante e buscar a viabilização de sua contratação após a finalização do estágio contribuem para o bom relacionamento entre ambos.

Por fim, é importante salientar que o estagiário deve cumprir o acordado no termo de compromisso, estudar e aproveitar as oportunidades delineadas pela empresa.